Pets no tratamento contra depressão e ansiedade

Pets no tratamento contra depressão e ansiedade

O Setembro Amarelo é um movimento mundial de conscientização contra a depressão e o suicídio. Ele segue a data de 10 de setembro, Dia Mundial da Prevenção do Suicídio, instituído em 2003 pela Organização Mundial de Saúde. No Brasil o movimento só ganhou força em 2015, com a criação da campanha Setembro Amarelo. Ter um bichinho reduz os pensamentos negativos e faz o paciente se importar novamente com a vida, desta forma, os animais de estimação são mais do que meras companhias peludas. Eles podem ser cruciais para a melhora da saúde, como no caso de quem tem depressão. A presença do bichinho se torna muito importante, pois traz estímulo para o dono seguir em frente e superar o mau momento. A depressão , também chamada de Transtorno Depressivo Maior, é um distúrbio mental caracterizado pela perda ou diminuição do interesse pelas atividades e prazeres da vida, prejudicando significativamente o dia a dia. Esse problema gera angústia e letargia profunda, muitas vezes sem motivo aparente. É causado pelo desequilíbrio na bioquímica cerebral, como diminuição da oferta serotonina, neurotransmissor ligado à sensação de bem-estar. Como os animais ajudam na depressão Os pets auxiliam em diversos problemas de saúde, e um deles é a possibilidade de curar ou, pelo menos, reduzir a depressão. Eles têm a capacidade de reduzir os pensamentos negativos. O amor incondicional e puro que os animais expressam pelo dono é muito genuíno, por isso eles são ótimas companhias em um momento complicado da vida. Estar perto deles faz passar todo o estresse, tristeza, angústia e solidão. A responsabilidade de cuidar de um ser vivo dá às pessoas com depressão a oportunidade de interagir, se sentir importante e ter com quem se importar. A rotina de cuidados: alimentação, banho, carinho , gera incentivos para continuar vivendo. Além disso, os bichinhos precisam brincar e se exercitar, sendo um estímulo para os donos também praticarem atividade física e estimularem sua mente. Exercícios liberam endorfinas no cérebro que aliviam os sintomas da depressão, tudo ficam muito melhor quando se tem companhia.   Fonte: https://canaldopet.ig.com.br/

Chupeta para cachorro: o hábito é saudável ou pode causar danos físicos e psicológicos para o cachorro?

Chupeta para cachorro: o hábito é saudável ou pode causar danos físicos e psicológicos para o cachorro?

Se você já viu um cachorro chupando bico de chupeta, sabe que essa é uma cena extremamente fofa (ainda mais quando eles são filhotes). Mas será que o uso do acessório é realmente necessário? Como a chupeta pode interferir no desenvolvimento do animal? Muita gente trata os cães como se fossem bebês, mas é importante estabelecer certos limites e entender que, embora os cachorros façam parte da nossa família, eles têm necessidades e instintos diferentes do que é comum para os humanos. Quer saber se é saudável ou não oferecer a chupeta para cachorro? Pode dar chupeta para cachorro? É comum que muitas famílias ofereçam chupeta para cachorro porque enxergam os doguinhos como se fossem seus filhos. O problema é que essa “humanização” exagerada dos animais pode ser prejudicial para os cães. As chupetas foram desenvolvidas exclusivamente para atender as necessidades de um bebê humano, e não de um cachorro (seja ele filhote ou adulto). Como a anatomia canina é totalmente diferente da nossa, a chupeta não se encaixa adequadamente à boca dos doguinhos e pode comprometer o desenvolvimento da arcada dentária deles. Por isso, mesmo que muitos tutores insistam nessa prática, a maioria dos especialistas não costuma recomendar o uso do acessório.   Quais os riscos de oferecer a chupeta para cachorro? Além de prejudicar seriamente os dentes do cachorro, a chupeta também pode causar danos físicos e psicológicos à saúde animal. Um dos principais riscos desse acessório é que o cachorro pode mastigar e engolir pedaços da chupeta (ou até mesmo a chupeta inteira), causando uma obstrução intestinal. É preciso pensar que esse item foi projetado para se adaptar à boca de uma criança humana, que não tem uma mordida tão forte a ponto de destruir. Além disso, também é preciso pensar no lado psicológico, já que alguns cães acabam se tornando dependentes do acessório - que não é benéfico para eles - e isso pode resultar em uma série de problemas comportamentais. O cachorro passa a recusar a interação com qualquer outro brinquedo e só quer a chupeta. Se ele não recebe o que quer, desconta em outros objetos da casa ou desenvolve problemas de ansiedade.   No lugar da chupeta, cachorro pode brincar com mordedores O cachorro com bico pode ser o ápice da fofura, mas é importante não estimular esse hábito e direcionar a atenção do seu cãozinho para os acessórios certos. Os primeiros dentinhos dos filhotes de cachorro nascem por volta da segunda ou terceira semana, mas entre os 4 e 7 meses os dentes de leite caem e dão lugar aos 42 dentes definitivos. Essa fase de troca de dentição é marcada principalmente pela necessidade de morder tudo que o cãozinho encontra pela frente, e é nesse momento que os tutores costumam oferecer a chupeta para cachorro.   No entanto, existem acessórios mais adequados para isso, como os brinquedos mordedores. Existem vários modelos com diferentes formatos, tamanhos e materiais. Esse tipo de brinquedo ameniza os impactos da troca de dentição e ajuda a fortalecer os músculos da mandíbula do animal. Também é uma ótima opção para cachorros adultos que gostam de destruir tudo.   Fonte: www.patasdacasa.com.br    

Como dar banho a seco em cachorro? Será que funciona?

Como dar banho a seco em cachorro? Será que funciona?

O dia está frio, chuvoso, e tudo o que você quer é se enrolar na coberta ao lado do seu peludo, para ver um bom filme. Só que quando percebe, ele está precisando ter os pelos higienizados. O que fazer nesse caso? Saiba que o banho a seco em cachorro pode ser uma ótima opção. Há produtos especialmente desenvolvidos para que você possa deixar os pelos do seu pet cheirosos, macios e limpinhos. Basta seguir alguns passos simples que, em pouco tempo, aquele cheirinho forte vai sumir do bichinho e ele estará lindo e perfumado. Porém, para que tudo dê certo, é preciso seguir alguns passos que garantirão a eficácia da lavagem a seco do cachorro. Veja o passo a passo e descubra quando o banho sem água pode ser usado. O banho a seco em cachorro é seguro? Resolve?  Uma dúvida comum dos tutores é se o banho a seco para cães é realmente eficiente e se há algum risco em usar os produtos. Será que os pelos do pet ficarão limpinhos? Claro que se o bichinho tiver aprontado e brincado na lama, dificilmente você conseguirá higienizá-lo com a ajuda de produtos. Nesse caso, o melhor é usar o chuveiro. Entretanto, em situações pontuais, nos quais a pelagem está começando a embolar ou o cheiro está forte, o banho seco em cachorro é uma opção eficiente e segura, desde que o tutor use os produtos da maneira correta. Quando o banho a seco em cachorro é a melhor opção? Embora os pets não precisem tomar banho com frequência, como acontece com os humanos, é preciso garantir que eles estejam limpos. Mas você certamente sabe que nem sempre é possível colocá-lo no chuveiro para dar um banho quentinho, não é? É nesses momentos que o banho seco em cães pode ser a melhor opção. Como os produtos são em spray, é possível fazer todo o procedimento sem que a pele do bichinho fique úmida. Isso faz com que esse tipo de higienização possa ser interessante em casos como: Dias nos quais o bichinho está precisando de um banho, mas o tempo está frio; Em animais idosos que, naturalmente, estão mais quietinhos, são mais suscetíveis a doenças e, por isso, pode ser melhor evitar banhos frequentes que possam estressá-los; O banho a seco cachorro filhotetambém é muito útil. Afinal, por vezes os peludinhos precisam ser limpos, mas o banho convencional não é indicado antes da vacinação; Quando o seu amigo de quatro patas está realmente precisando de um banho, mas você não teve tempo de levá-lo ao pet shop. Quais as vantagens do banho a seco nos animais?  O seu uso é seguro; É eficiente; Tem um perfume muito agradável e deixa o pet cheiroso; Não umedece a pele; É prático; Pode ser usado em animais das mais diferentes idades; Tem fácil aplicação e, rapidinho, o tutor consegue fazer o procedimento, em casa mesmo, sem dificuldade; Pode ser levado na mala do peludo, para que quando vocês dois forem tirar férias juntos, você possa mantê-lo sempre higienizado; Neutraliza os odores e perfuma sem agredir os pelos e a pele. Como dar banho a seco em cachorro ? Caso o bichinho tenha brincado no mato e tenha ficado com terra ou pedacinho de grama em parte da pelagem, escove o local para retirar o que estiver solto; Proteja os olhos do peludo; Borrife o  banho seco no cachorro em toda a pelagem, exceto na cabeça e no rosto. Faça isso a uma distância aproximada de 7 cm, sempre na direção contrária ao nascimento do pelo; Borrife até sentir que a superfície da pelagem está úmida; Massageie o pelo para espalhar o produto; Aproveite para escovar os locais que estiverem com nó, para desembolar; Passe um pano seco e limpinho para retirar o produto e deixar o peludo bem sequinho; Para limpar a cabeça e a face, espirre um pouquinho do shampoo para banho a seco em cachorro em um pano limpo. Depois disso, passe no rosto, mas com cuidado, para não se aproximar dos olhos nem da boca.  Viu como o banho a seco em cachorro pode ser prático e muito útil? E com a ajuda da Sanol Dog você deixará o seu pet cheiroso e limpinho!   Fonte: https://www.petz.com.br/  

Como livrar o seu cão do mau hálito

Como livrar o seu cão do mau hálito

Considerado um problema comum no mundo pet, os cachorros costumam apresentar mau hálito. E muitos tutores podem achar que esse cheiro forte é normal e acabam não dando tanta atenção para esse problema. Trata-se de um sinal que a saúde bucal do seu cachorro não é adequada. E ainda, pode ser algo que gera certo tipo de incomodo, principalmente se for fácil de ser percebido pelo tutor. É importante saber o que causa o cheiro do mau hálito e como tratar, para que o mau cheiro melhore e até acabe. Saiba como evitar e tratar mau hálito: A parte mais importante para livrar seu cão do mau hálito é a higienização. A escovação diária retira qualquer resíduo presente nos dentes do animalzinho e ainda evita a formação de placa dentária e substâncias causadoras do mau hálito. O ideal é que a escovação aconteça desde filhote, mas se o seu animal não está acostumado a esse hábito, nunca é tarde para começar. Lembrando que essa disciplina da escovação é parte do tutor, por isso você deve reconhecer a importância da escovação. É extremamente importante não usar pasta dental humana. O produto contém substâncias que não devem ser ingeridas pelos cães, porque podem causar vômitos, dores abdominais, diarreia e até gastrite. Utilize sempre por uma pasta veterinária. Uma boa alimentação também interfere na saúde bucal do animalzinho. Opte por rações secas, seus grãos ajudam a retirar o acúmulo de tártaro e placas. Outra opção é oferecer petiscos e brinquedos criados para limpar os dentes e prevenir o tártaro, eles ajudam na saúde bucal, já são criados especialmente para limpar os dentes. É fundamental também trocar com frequência a água do bebedouro, a água fresca e potável ajuda na limpeza dos restos dos alimentos que ficam na boca do animal. Lembrando que isso não substitui a escovação bucal. Outra ação para prevenir o mau hálito é fazer consultas periódicas em um médico veterinário de confiança. Caso você identifique o mau hálito em seu cachorro, o veterinário saberá analisar quais são as causas e indicar o tratamento necessário.  Fonte: https:/tudodebicho.com.br/

Coprofagia: causas e o que fazer para que o cão pare de ingerir as próprias fezes

Coprofagia: causas e o que fazer para que o cão pare de ingerir as próprias fezes

Não se trata só de um hábito, digamos… pouco apetitoso. Além de tornar as lambidas que recebemos menos agradáveis, a coprofagia, isto é, o ato de comer fezes, também pode ser sintoma de algum problema de saúde. Isso sem contar que, ao ingerir fezes de animais contaminados, seu amigo ainda pode pegar doenças como giardíase, verminoses, entre outros. Por isso, se o seu cachorro come as próprias fezes, não deixe para lá! O melhor a fazer é investigar o que é coprofagia e os motivos que o levam a fazer isso para, assim, buscar solução do problema. Coprofagia: Por que meu cachorro come as próprias fezes? Não existe uma única causa para a coprofagia. Ela pode ter origem tanto em fatores fisiológicos quanto comportamentais. Causas fisiológicas Do lado fisiológico, os motivos mais comuns dizem respeito à nutrição. Como exemplo, cães com dietas inadequadas podem recorrer à coprofagia como forma de buscar mais nutrientes. Da mesma maneira, cachorros com polifagia (apetite excessivo anormal) ou que estejam fazendo alguma dieta restritiva para perda de peso também podem apresentar o comportamento. Em outros casos,  notar um cachorro que come fezes, pode ser sinal de um problema de má- absorção, como, por exemplo, insuficiência hepática ou doenças intestinais.“Nessas situações, o pet pode precisar de nutrientes adicionais e buscar suplementação por meio da coprofagia”, por isso, é sempre importante investigar. Causas comportamentais Já do ponto de vista comportamental, as causas são igualmente variadas. No entanto, uma das mais comuns é fazer isso para chamar a atenção do tutor. Isso mesmo! “A atenção dada imediatamente após a ingestão das fezes, mesmo que negativa, pode estimular o comportamento”. Aliás, a “atenção negativa” pode estar por trás da coprofagia também de outra maneira. Tutores que utilizam técnicas de reforço negativo, como esfregar o focinho do pet nas fezes e dar broncas verbais, fazem com que ele associe a punição ao ato de defecar e não ir ao local. Assim, seu amigo pode passar a ingerir as fezes a fim de escondê-las. Sabemos que não é normal cachorro comer fezes, porém, existe, uma causa bem chocante para essa atividade “peculiar”. Alguns cães comem fezes porque gostam do cheiro, da textura e do sabor.... Eca! Coprofagia: ela tem a ver com a raça? Ainda não há pesquisas conclusivas a respeito do assunto. Mas, como curiosidade, um estudo publicado no periódico “Veterinary Medicine and Science”, realizado pelos pesquisadores da Universidade da Califórnia, avaliou que os Hounds e Terriers seriam os mais propensos a comer as próprias fezes. Já os poodles são considerados os menos inclinados a fazer isso. Na realidade brasileira, mais comumente são as raças pequenas que apresentam o comportamento. Nesse sentido, temos como exemplo os cães das raças Shih-Tzu, Yorkshite, Spitz Alemão e Lhasa-Apso. Embora cães de maior porte e, até mesmo, gatos também possam apresentar o quadro. Como fazer cachorro parar de comer fezes? Identificar a causa da coprofagia é o primeiro passo para começar a tratá-la. Isso não só porque o procedimento adequado está diretamente ligado a ela, mas também porque, como dito anteriormente, o hábito pode ser um sintoma de doenças mais graves, de modo que o tratamento é essencial para garantir a saúde do pet: Ofereça somente rações balanceadas e de qualidade; Para quem prefere a alimentação caseira, procure um nutricionista veterinário para que ele monte um cardápio de acordo com as necessidades específicas do seu amigo; Se possível, recolha as fezes imediatamente após a defecação; Não utilize o reforço negativo para ensinar ao petonde fazer suas  Em vez disso, recompense-o com petiscos, brinquedos e carinho sempre que ele as fizer no lugar certo; Lembre-se que as broncas, muitas vezes, servem apenas como fonte de atenção para o cachorro e não como forma educativa; Tente não recolher as fezes na frente do pet. Em alguns casos, isso pode levá-lo a querer “remover” as próprias fezes na sua ausência, Hoje em dia, em lojas específicas de artigos pata pets você encontra produtos capazes de dar cheiro e sabor desagradável para as fezes, desencorajando o pet a ingeri-las.  Lembrando que, antes de qualquer medida, o veterinário sempre deve ser consultado a fim de descartar a possibilidade de doenças e para orientar a respeito de uma alimentação balanceada! Fonte: www.petz.com.br